sábado, 8 de dezembro de 2012

Distribuição de riquezas URGENTE !

Notícia divulgada recentemente em vários jornais brasileiros, a partir de um estudo encomendado pela Tax Justice Network (Rede de Justiça Fiscal em uma tradução livre) aponta que os brasileiros detém a quarta maior fortuna do mundo EM PARAÍSOS FISCAIS. de acordo com relatória daquela entidade, "os super-ricos brasileiros detém o equivalente a um terço do PIB em contas off-shore", ou seja, livres de tributação e supervisão pelo Banco Central.

Faz-se necessário urgentemente políticas reais de distribuição de riquezas, não faz sentido poucos deterem quase tudo e muito deterem quase nada !

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A internet sob risco de controle Governamental *

Em um futuro próximo a internet pode não ser mais a mesma. É isso o que se discute na Conferência Mundial sobre Telecomunicações Internacionais, organizada pela ONU em Dubai, com início hoje (03/12/2012), onde busca-se estabelecer diretrizes sobre o uso da internet. Esse espaço, antes tão desapercebido pelas autoridades, passou a ser alvo do desejo supremo de controle de acesso a dados e a informações. Afinal, não é de hoje que ouvimos rumores sobre o controle da internet por parte do Estado.
Recentemente publiquei um artigo - "O confronto nas redes sociais", que retrata a expansão do acesso à internet e a interação das pessoas nas redes sociais, fruto da popularização. O que não foi ruim nem para as pessoas e nem para o país, já que se conseguiu tanto com um acesso tão imediato à informação. Mas que, dada a sua força no âmbito social atual, coloca em risco interesses pessoais de autoridades e governantes.
Em que se baseia a regulamentação da internet
Entre os pontos abordados estão: 1) Motivos de segurança nacional; 2) Combate à criminalidade; 3) Custos com Infraestrutura; 4) Contenção na divulgação de informações sigilosas. Enfim, justificativas que poderiam ser categorizadas como as mais plausíveis possíveis. Mas não é só isso que está por trás de todo esse interesse.
A regulamentação brasileira
No Brasil, há um projeto de Lei que visa regulamentar o uso da internet no país, estabelecendo direitos e deveres aos usuários, prestadores de serviços, provedores de conexão e ao Poder Público. Atualmente o Projeto de Lei está tramitando na Câmara dos Deputados sob o número PL 2126/2011. Entretanto, os pontos polêmicos não permitem que o projeto avance. E, o que é pior, deixando o usuário final de fora de toda essa discussão.
A iniciativa do Google
O Google tem direcionado fortes críticas a respeito do controle da internet no mundo. Em razão disso, criou a campanha "internet livre e aberta", #freeandopen, e disponibilizou um abaixo-assinado online mobilizando pessoas de todo o mundo a se manifestarem contra essas regulamentações, discutidas a portas fechadas pela UIT - União Internacional de Telecomunicações, da ONU. Se você pretende participar deste abaixo-assinado, é simples e rápido. Basta preencher os dados, inserir sua opinião a respeito e clicar em enviar. Para mais informações, clique aqui.
"Um mundo livre e aberto depende de uma Web livre e aberta"
O assunto deve ser debatido e amadurecido, incluindo todas as partes envolvidas. Qualquer brecha dada na lei poderá ser mal utilizada e permitir a censura de questões e pessoas. Por isso, deve-se ter muito cuidado com a abordagem e regulamentação desta área.
Além disso, há muito interesse por trás disso. Uma das coisas que mais me instigaram é a pretensão das operadoras de telefonia em transferir a responsabilidade da infraestrutura de seus serviços a outras empresas, como se o consumidor já não estivesse sendo lesado pela prestação de um serviço de baixa qualidade.
Enfim, vale a pena acompanhar essas discussões e não ficar aquém do que está acontecendo no Brasil e no mundo. Levamos anos para conquistar a tão sonhada liberdade, inclusive de expressão, e não podemos perder essa prerrogativa tão importante nos dias de hoje. Fique de olho!!!
Sobre o autor: Priscila Fago é nerd, blogueira e trabalha no Poder Judiciário. Formada em administração de empresas, é apaixonada por informática e tecnologia.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Funcionalismo Público

O texto abaixo me foi enviado por email por meu pai que é funcionário público, li o teor do mesmo e concordei, fazer às vezes, ou cortesia com chapéu alheio, bancar transparência em cima dos menores é moleza e demagogia !

Os servidores públicos, em geral, não são recepcionistas que ganham 24 mil por mês. Em geral, os servidores públicos recebem salários compatíveis com seus cargos ou menos do que isso, como a maioria da população brasileira. E, como a maioria da população brasileira, os servidores públicos levam seus filhos à escola, empurram carrinho no supermercado, compram remédio na farmácia, conversam com o vizinho e se irritam no trânsito.



Os servidores públicos são idênticos à maioria da população brasileira, mas, com a lei que pretende divulgar- lhes os nomes e os salários, levarão uma vida diferente de todos, levarão uma vida igual ao seu trabalho: PÚBLICA. Posso imaginar uma roda de mulheres num bar passando de mão macia para mão macia a lista dos salários de seus amigos, e quiçá pretendentes, que trabalham no serviço público.

– Prefiro sair com este, que ganha R$ 928,52 a mais do que esse outro!



– Olha aqui esse chinelão: me convidou para beber um vinho na casa dele, mas só ganha R$ 950. Vai ver é vinho de garrafão!!!



Ou quem sabe a faxineira de um servidor, discutindo com ele:

– O senhor pode me dar mais 20 por faxina: o seu salário é R$ 3.269,88.



Ou o vizinho na reunião de condomínio:

– Uma vez que o seu salário é de R$ 10.974,00 você pode aumentar a contribuição mensal, já que nós ganhamos muito menos!



A relação de nomes e salários também será muito útil para operadoras de telemarketing, vendedores e eventuais golpistas, mas ninguém se beneficiará mais do que os sequestradores que abundam debaixo dos semáforos das cidades. Eles poderão estabelecer com minúcias de centavos quanto pedir de resgate por algum familiar de um servidor público... Muito prático.



Eu aqui, já precisei de inúmeros servidores públicos, ao longo da vida: sempre estudei em escola pública, e, como qualquer cidadão, já tive de me socorrer da saúde pública, da Justiça, da polícia, dos bombeiros, de diversos prestadores de serviço, pois, quando esses funcionários estavam me atendendo, se porventura pensasse no salário deles, sabe do que eu gostaria? Que eles fossem muito bem remunerados. Que aquele professor, que aquele médico, que aquele escrevente, que aquele delegado, que aquele juiz, que aquele brigadiano ganhasse muito bem, que estivesse satisfeito com seu trabalho, a fim de me prestar assistência de qualidade, a melhor assistência possível.



A divulgação dos salários vinculados aos nomes dos funcionários (A tal da "Transparência") talvez diminua distorções como a da recepcionista que ganha R$ 24 mil por mês (Cargo do Executivo e Legislativo). Mas talvez também afaste os bons do serviço público. Porque, se é verdade que o que é caro não é necessariamente bom, também é verdade que o bom vale mais. O serviço público, por atender a toda a população, tem de ser composto pelos melhores, e os melhores têm de ser bem remunerados. Com merecimento, sim. Com transparência, claro que sim. Não com constrangimento.



Fonte: David Coimbra - Jornal Zero Hora







quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Advogado dativo / defensor público

Semana passada estive no forum Criminal da barra Funda com meu pai e assisti pela primeira vez a um Tribunal do Juri, com toda aquela solenidade que até então só havia conhecido em filmes, muito bacana, emocionante, a retórica do promotor no embate de posicionamento com o advogado de defesa, aí sim o Direito me empolgou fora da Filosofia e Sociologia Jurídica, ah! e também da Criminologia.
Porém uma coisa me causou dúvidas o defensor do réu era um advogado dativo, defensor público, ou seja, um advogado que o estado "dá" ao réu impossibilitado de arcar com custas de honorários de um advogado particular. Pelo que me informei são funcionários do Estado que nesse caso é o acusador via Ministério Público na pessoa do Promotor e a talvez falta de necessário empenho do ADVOGADO DATIVO OU DEFENSOR UMA VEZ QUE PERDENDO OU GANHANDO A CAUSA TEM SEU SALÁRIO GARANTIDO.
Enfim acho uma questão eticamente desconfortável, embora não tenha uma solução imediata pra situação.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Direito de defesa !

Durante muitos anos vi em várias áreas da vida pessoas serem acusadas, julgadas e expurgadas, seja de instituições religiosas (igrejas), famílias, círculos de amizades, emprego e etc...., sem ao menos a chance de defesa, e hoje li algo do professor J. canuto Mendes de Almeida que muito me tocou, ele diz:

"A verdade atingida pela justiça pública não pode e não deve valer em juízo sem que haja oportunidade de defesa ao indiciado......"
(in "Princípios Fundamentais do processo Penal", ed. Revista dos Tribunais, 1973, p.107)

Pense muito antes de condenar ou proferir juízo a respeito de alguém que sequer teve a chance de se defender, de mostrar seu lado da história !

Luz a todos.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO !

É TUDO A MESMA COISA ?

RACISMO é uma ideologia, uma forma de pensar, de ver e dar valor às coisas.
Uma pessoa racista acredita que os seres humanos não são iguais, que existem grupos humanos ("raças") inferiores a outros e, por isso mesmo, não precisam ser tratados com a mesma consideração e respeito.

PRECONCEITO é um julgamento prévio negativo.
É julgar uma pessoa sem, ao menos, conhecê-la, baseando-se só na aparência, cor da pele, origem, classe social, orientação sexual etc.
Ocorre quando alguém acha que "todo pobre é vagabundo", "todo preto é ladrão", todo homossexual é safado" e assim por diante.

DISCRIMINAÇÃO è aconduta propriamente dita. É o ato que expõe o racismo ou o preconceito e atinge outra pessoa.
Ocorre quando, por exemplo, a pessoa é revistada ou quando lhe são dirigidas palavras ofensivas, ou quando é negado o direito de frequentar determinados ambientes unicamente em razão da cor dda pele, condição social ou religião.
É a desconfiança, o tratamento truculento, violento ou de indiferença, movido unicamente por preconceito.

É FÁCIL IDENTIFICAR A DISCRIMINAÇÃO ?

Nem sempre. A discriminação pode ser clara e explícita ou disfarçada e camuflada. pior ainda, pode já ter sido assimilada de tal forma pelas pessoas que chega a passar despercebida, como se fosse "normal".

ONDE DENUNCIAR ?

A Secretaria de justiça e da Defesa da Cidadania (SJDC) através da Coordenação de políticas para a População Negra e Indígena (CPPNI), recebe inúmeras denúncias e promove a instauração do processo administrativo.
Entre em contato co a Secretaria da Justiça:
Fone (11) 3291-2622
Fax   (11) 3105-9199
Email: denunciaracial@sp.gov.br

Direito Processual Civil

   
               DOS ATOS DO ESCRIVÃO

Os atos dos Auxiliares da Justiça compreendem os de movimentação, documentação e execução. Os atos de movimentaçãoe de documentação são realizados pelo escrivão ou Diretor de Secretaria e seus funcionários, nos cartórios.
São atos de movimentação processual, dentre outros, os relativos à conclusão doa autos ao Juiz; remessa ao contador; vista dos autos às partes ou ao perito; remessa do tribunal, etc.
São atos de documentação as certidões e os termos relativos à movimentação do processo. Os artigos 166 a 171 do Código de processo Civil disciplinam tais atos:

Artigo 166 - Ao receber a petição inicial de qualquer processo, o escrivão a autuará, mencionando o Juízo, a antureza do feito, o número de seu registro, os nomes das partes e a data do seu início; e procederá do mesmo modo quanto aos volumes que se forem formando.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Linkdin - Rede Social

Visitem meu perfil nessa importante rede social, onde tenho divulgado nosso Blog.

Meu perfil está como Alexandre Torres

PUC em greve !



A greve de alunos, professores e funcionários da PUC de SP não tem prazo para terminar, segundo representantes do movimento estudantil. Ontem, ao menos sete cursos de graduação aderiram à paralização.

Em nota, o diretor da Faculdade de Direito, Marcelo Figueiredo, afirmou que uma reunião extraordinária do onselho da Faculdade de Direito decidiu, por unanimidade, reconhecer a legitimidade do movimento, que contesta a nomeação à reitoria da Professora Anna Maria Marques Cintra, terceira colocada nas eleições internas.

Via Metrô News.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Mais de 1,17 milhão de quilombolas vivem na miserabilidade

A ministra da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Luiza Helena de Bairros, disse nesta segunda (5), em audiência pública no Senado, que a falta de interação entre o governo federal e os institutos de terras dos estados é o principal entrave para a regularização fundiária das terras remanescentes de quilombos, prevista pela Constituição Federal de 1988 e que avança há passos ainda mais tímidos do que as das comunidades indígenas.
"Há quilombos em terras devolutas dos estados, que não são contestadas por outras partes. Nós não temos desculpas para que a titulação não aconteça em uma velocidade maior", afirmou.
De acordo com a ministra, o Brasil possui, hoje, cerca de 1,17 milhão de quilombolas, boa parte deles vivendo no limite da miserabilidade. Ela informou também que há hoje no país 1.948 áreas reconhecidas como terras remanescentes, além de outras 1.834 já certificadas pela Fundação Palmares, órgão ligado ao Ministério da Cultura. São exatos 1.167 processos abertos para titulação de terras. Entretanto, apenas 193 áreas foram, de fato, tituladas. "Nossa prioridade, agora, é dar ao Programa Brasil Quilombola a dimensão estadual que ele sempre deveria ter tido. Precisamos pensar as políticas públicas em todas as suas dimensões", observou.
Luiza Helena de Bairros informou que o Brasil Quilombola, criado há oito anos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, estrutura as políticas públicas destinadas aos quilombolas em quatro eixos: acesso à terra; infraestrutura e qualidade de vida; inclusão produtiva e desenvolvimento local; e direitos e cidadania. "Por mais que melhoremos as políticas sociais, a avaliação do governo por parte das comunidades não passa por isso. Passa pela nossa capacidade de dar conta dos problemas fundiários. Do ponto de vista das comunidades, é a questão central. Portanto, além de ampliar cobertura das políticas sociais, temos que fazer com que a regularização fundiária tenha avanços mais significativos", acrescentou.
Professora da Faculdade de Ciências Sociais, Política e História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Lilian Cristina Bernardo Gomes destacou a importância do país conter o etnocídio a que o povo negro brasileiro vem sendo submetido historicamente. "A democracia brasileira só se aprofundará na medida em que ela for capaz de refletir o que se passa na sociedade", afirmou.
Segundo ela, a demanda principal das comunidades quilombolas é a terra, porque a noção de identidade dessas comunidades está diretamente ligada ao território em que vivem. Entretanto, apesar da Constituição Federal reconhecer este direito e aclamar a cultura remanescente como patrimônio nacional, são inúmeras as artimanhas utilizadas para restringir os direitos desta população. "De onze projetos de lei já apresentados na Câmara sobre o tema, sete são restritivos ao direito quilombola", afirmou.
Como exemplos, citou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000, que transfere do governo para o Congresso a responsabilidade pela demarcação de terras indígenas e quilombolas, e o Projeto de Lei 1.836/2011, que descaracteriza o caráter coletivo da propriedade das terras quilombolas. A pesquisadora criticou a supressão, pela Câmara, de um trecho do Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010) que reafirmava o direito definitivo à propriedade das terras e esclarecia que o benefício é coletivo.
Para Lílian Cristina, se não tivesse sido suprimido da lei, o trecho asseguraria direitos aos quilombolas que hoje são contestados no Supremo Tribunal Federal (STF), em especial a ação apresentada pelo DEM questionando a inconstitucionalidade do Decreto 4.887/2003, que regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. A cientista social avalia que estruturas políticas caducas reverberam o lugar comum de que, no Brasil, o branco é o detentor natural da posse da terra.
(Postagem do Blog G.E.R.A)

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

37o. Encontro de Educadores



- Câmara Cascudo, em "O Tempo e Eu".

Hoje enquanto almoçava  com minha esposa na Praça da Liberdade (bairro japonês aqui de SP) falávamos sobre gratidão sem esperar nada em troca, e agora à noite ao chegar aqui no laborat´roio de Informática da FMU - Metrô São Joaquim e abrir meus emails me deparei com essa frase que veio confirmar tudo que conversávamos, que veio também me ajudar numa empreitada pessoal de aos quase 40 anos de idade aprender a ver a vida de um novo modo e sobretudo a vive-la de um novo modo, mais suave, feliz, leve e sem ódios, rancores, ressentimentos, compartilho as palavras que o Universo me enviou com vocês neste momento.

"Creio na bondade sem a garantia prévia da gratidão. Sem que se assegure da memória devedora. Sem que se estabeleça, pelo ato generoso, uma servidão vitalícia no beneficiado. Bondade paga-se no puro e simples ato de sua realização. Como um fruto justifica a existência útil da árvore. Bondade antevendo a recompensa é apólice de sociedade mutualista rendendo do capital intocável do favor inicial. Os pássaros não são devedores dos frutos e da água da fonte. Eles testificam, perante a natureza, a continuidade da missão cultural."  Smiley de boca aberta

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Bill Cosby

Tenho 74 anos e estou cansado. Exceto um breve período na década de 50, quando fiz o meu serviço militar, tenho trabalhado duro desde que eu tinha 17 anos. Trabalhava 50 horas por semana, e não caí doente em quase 40 anos. Tinha um salário razoável, mas não herdei o meu trabalho ou o meu rendimento. Eu trabalhei para chegar onde estou, e cheguei economizando muito, mas estou cansado, muito cansado.

Estou cansado
de que me digam que eu tenho que "distribuir a riqueza" para as pessoas que não querem trabalhar e não têm a ética de trabalho. Estou cansado de ver que o governo fica com o dinheiro que eu ganho, pela força, se necessário, e o dá a vagabundos com preguiça para ganhá-lo.

Estou cansado
de ler e ouvir que o Islamismo é uma "religião da paz", quando todos os dias eu leio dezenas de histórias de homens muçulmanos a matar suas irmãs, esposas e filhas pela "honra" da sua família; de tumultos de muçulmanos sobre alguma ligeira infração; de muçulmanos a assassinar cristãos e judeus porque não são "crentes"; de muçulmanos queimando escolas para meninas; de muçulmanos apedrejando adolescentes, vítimas de estupro, até a morte, por "adultério"; de muçulmanos a mutilar o genital das meninas, tudo em nome de Alá, porque o Alcorão e a lei Sharia diz para eles o fazerem.

Estou cansado
de que me digam que por "tolerância para com outras culturas" devemos deixar que Arábia Saudita e outros países árabes usem o dinheiro do petróleo para financiar mesquitas e escolas madrassas islâmicas, para pregar o ódio na Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, Estados Unidos e Canadá, enquanto que ninguém desses países está autorizado a fundar uma sinagoga, igreja ou escola religiosa na Arábia Saudita ou qualquer outro país árabe, para ensinar amor, tolerância e paz.

Estou cansado
de que me digam para eu baixar o meu padrão de vida para lutar contra o aquecimento global, o qual não me é permitido debater.

Estou cansado
de que me digam que os toxicodependentes têm uma doença, e eu tenho que ajudar no seu tratamento e pagar pelos danos que fazem. Eles procuraram sua desgraça. Nenhum germe gigante os agarrou e encheu de pó branco seus narizes nojentos, ou à força injetou porcaria em suas veias esquerosas.

Estou cansado
de ouvir ricos atletas, artistas e políticos de todas os partidos falarem sobre erros inocentes, erros estúpidos ou erros da juventude, quando todos sabemos que eles pensam que seus únicos erros foi serem apanhados. Estou cansado de pessoas sem senso do direito, sejam elas ricas ou pobres.

Estou realmente
cansado de pessoas que não assumem a responsabilidade por suas vidas e ações. Estou cansado de ouvi-las culpar o governo e a sociedade de discriminação pelos "seus problemas."

Também estou cansado
e farto de ver homens e mulheres serem repositório de pregos, pinos e tatuagens de mau gosto, tornando-se assim pessoas não-empregáveis e, por isso, reivindicando dinheiro do governo (Dos impostos pagos por quem trabalha e produz).

Sim, estou muito cansado.
Mas também estou feliz por ter 74, porque não vou ter de ver o Mundo que essas pessoas estão CRIANDO.

Mas estou triste
por minha neta e os seus filhos. Graças a Deus estou no caminho de saída e não no caminho de entrada.

Não há maneira de isto ser amplamente divulgado... A menos que cada um de nós colabore, enviando e ganhando força para contrariar esse (mau) caminho que o Mundo, por força de (
péssimos) governantes, nos está proporcionando

Recebi o texto acima por email e gostei muito porém gostaria de colocar aqui alguns pontos de discordância em relação aos pensamentos de Bill.
De fato ele e nem nínguem tem de contribuir com recursos para ajudar dependentes químicos, porém o estado tem sim grande parcela de culpa no momento em que permite com sua política fraca de segurança pública a "livre venda de entorpecentes", tem culpa sim o mesmo estado no momento em que seus componentes são corruptos e portanto coniventes com os narcotraficantes, e não me diga que não há gente dos altos escalões dos governos metidos até o pescoço nisso por que há sim.

Ministro STF Joaquim Barbosa

Descrição: 314935_275114485924071_1971334376_n(1)11.jpg

Esta é a prova maior de que, quando queremos, tudo podemos.
Um grande exemplo de dignidade e honradez.
Ex faxineiro... ele limpava banheiros no TRE do DF.
Filho de uma dona-de-casa e de um pedreiro...
Dividia o tempo entre os bancos escolares e a faxina no TRE do Distrito Federal.
Apaixonado por línguas. Um dia, o mineiro, na certeza da solidão,
cantava uma canção em inglês enquanto limpava o banheiro do TRE.
Naquele momento, um diretor do tribunal entrou e achou curioso uma pessoa da faxina
ter fluência em outro idioma.
A estranheza se transformou em admiração e, na prática, abriu caminho para outras funções.
É fluente em francês, inglês, alemão e espanhol.
Formou-se em Direito pela UNB, sendo a época o único negro da faculdade.
Passou nos concursos de:
- Oficial da Chancelaria, Advogado do Serviço Federal, Procurador da República,
Professor da Universidade do Rio de Janeiro.
Ah, ele toca piano e violino desde os 16 anos de idade.

sábado, 20 de outubro de 2012

A espetacularização e a ideologização do Judiciário

Recebi estes escritos de Leonardo por email e após o jantar (aliás excelente jantar, pelo sabor da comida de minha mada esposa que nos preparou um saborosíssimo feijão fradinho, arroz soltinho e bifes fritos na cebola e pimentão e também por jantar com meu pai, ela e uma amiga nordestina) e decidi que ira ler o mesmo sem interrupção, adorei a ideia presente no mesmo, e a clara visão filosófica, aliás Boff escreve muito bem, divido o mesmo com vocês, logo abaixo:

DEBATE ABERTO
 
A ideologia que perpassa os principais pronunciamentos dos ministros do STF parece eco da voz de outros, da grande imprensa empresarial que nunca aceitou que Lula chegasse ao Planalto. Ouvem-se no plenário ecos vindos da Casa Grande, que gostaria de manter a Senzala sempre submissa e silenciosa.

Leonardo Boff


É com muita tristeza que escrevo este artigo no final da tarde desta quarta-feira, após acompanhar as falas dos ministros do Superemo Tribunal Federal. Para não me aborrecer com e-mails rancorosos vou logo dizendo que não estou defendendo a corrupção de políticos do PT e da base aliada, objeto da Ação Penal 470 sob julgamento no STF. Se malfeitos foram comprovados, eles merecem as penas cominadas pelo Código Penal. O rigor da lei se aplica a todos.

Outra coisa, entretanto, é a espetacularização do julgamento transmitido pela TV. Ai é ineludível a feira das vaidades e o vezo ideológico que perpassa a maioria dos discursos.

Desde 
A Ideologia Alemã, de Marx/Engels (1846), até o Conhecimento e Interesse, de J. Habermas (1968 e 1973), sabemos que por detrás de todo conhecimento e de toda prática humana age uma ideologia latente. Resumidamente, podemos dizer que a ideologia é o discurso do interesse. E todo conhecimento, mesmo o que pretende ser o mais objetivo possível, vem impregnado de interesses.

Pois, assim é a condição humana. A cabeça pensa a partir de onde os pés pisam. E todo o ponto de vista é a vista de um ponto. Isso é inescapável. Cabe analisar política e eticamente o tipo de interesse, a quem beneficia e a que grupos serve e que projeto de Brasil tem em mente. Como entra o povo nisso tudo? Ele continua invisível e até desprezível?

A ideologia pertence ao mundo do escondido e do implícito. Mas há vários métodos que foram desenvolvidos, coisa que exercitei anos a fio com meus alunos de epistemologia em Petrópolis, para desmascarar a ideologia.
O mais simples e direto é observar a adjetivação ou a qualificação que se aplica aos conceitos básicos do discurso, especialmente, das condenações.

Em alguns discursos, como os do ministro Celso de Mello, o ideológico é gritante, até no tom da voz utilizada. Cito apenas algumas qualificações ouvidas no plenário: o mensalão seria “um projeto ideológico-partidário de inspiração patrimonialista”, um “assalto criminoso à administração pública”, “uma quadrilha de ladrões de beira de estrada” e um “bando criminoso”. Tem-se a impressão de que as lideranças do PT e até ministros não faziam outra coisa que arquitetar roubos e aliciamento de deputados, em vez de se ocuparem com os problemas de um país tão complexo como o Brasil.
Qual o interesse, escondido por detrás de doutas argumentações jurídicas? Como já foi apontado por analistas renomados do calibre de Wanderley Guilherme dos Santos, revela-se aí certo preconceito contra políticos vindos do campo popular. Mais ainda: visa-se a aniquilar toda a possível credibilidade do PT, como partido que vem de fora da tradição elitista de nossa política; procura-se indiretamente atingir seu líder carismático maior, Lula, sobrevivente da grande tribulação do povo brasileiro e o primeiro presidente operário, com uma inteligência assombrosa e habilidade política inegável.

A ideologia que perpassa os principais pronunciamentos dos ministros do STF parece eco da voz de outros, da grande imprensa empresarial que nunca aceitou que Lula chegasse ao Planalto. Seu destino e condenação é a Planície. No Planalto poderia penetrar como faxineiro e limpador dos banheiros. Mas nunca como presidente.
Ouvem-se no plenário ecos vindos da Casa Grande, que gostaria de manter a Senzala sempre submissa e silenciosa. Dificilmente, se tolera que através do PT os lascados e invisíveis começaram a discutir política e a sonhar com a reinvenção de um Brasil diferente. Tolera-se um pobre ignorante e mantido politicamente na ignorância. Tem-se verdadeiro pavor de um pobre que pensa e que fala. Pois, Lula e outros líderes populares ou convertidos à causa popular como João Pedro Stedile, começaram a falar e a implementar políticas sociais que permitiram uma Argentina inteira ser inserida na sociedade dos cidadãos.

Essa causa não pode estar sob juízo. Ela representa o sonho maior dos que foram sempre destituídos.
A Justiça precisa tomar a sério esse anseio a preço de se desmoralizar, consagrando um status quo que nos faz passar internacionalmente vergonha. Justiça é sempre a justa medida, o equilíbrio entre o mais e o menos, a virtude que perpassa todas as virtudes (“a luminossísima estrela matutina” de Aristóteles). Estimo que o STF não conseguiu manter a justa medida. Ele deve honrar essa justiça-mor que encerra todas as virtudes da polis, da sociedade organizada. Então, sim, se fará justiça neste país.
Leonardo Boff é teólogo e escritor.

SENADORES QUEREM QUE O POVO PAGUE O IMPOSTO PESSOAL DELES, AGORA SIM TÁ TUDO ACABADO NESSE PAIS, kkk:

Eu sempre que possível e que concorde com os termos da petição participo delas via pessoal do site Avaaz, conheça mais um apetição levantada por eles.

Caros amigos do Brasil,



É inacreditável – nossos senadores querem que nós paguemos milhões de reais das dívidas deles! Após 4 anos sem pagar o Imposto de Renda sobre os 14º e 15º salários, a Mesa Diretora do Senado decidiu pagar essa conta usando dinheiro público. Somente uma enorme mobilização do povo pode impedir que isso aconteça.
É ultrajante! Os Senadores querem que o cidadão brasileiro pague as dívidas de imposto pessoais deles. Vamos nos mobilizar contra este abuso absurdo de seus cargos públicos!

Como Presidente da OAB-RJ (Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Rio de Janeiro), fiquei indignado ao descobrir, pelos jornais, que os Senadores, além de receberem 14º e 15º salários – o que já é completamente fora de propósito – não pagaram imposto de renda sobre esses salários entre 2007 e 2011. E, quando a Receita Federal descobriu, o Senado decidiu que essa dívida seria paga com dinheiro público! Mas tenho certeza de que se nos unirmos em uma enorme mobilização nacional o Senado voltará atrás nessa decisão absurda.

Junte-se a nós nessa grande corrente para barrar essa manobra lamentável. Clique aqui e assine a petição que, em conjunto com a Avaaz, eu entregarei diretamente aos Senadores diante de toda a mídia:

https://secure.avaaz.org/po/petition/O_imposto_dos_senadores_nao_pode_ser_pago_por_nos/?bkRYBbb&v=18633


Se o Senado pagar o Imposto de Renda dos parlamentares, será uma afronta aos cidadãos brasileiros. Eles não apenas recebem dois salários a mais do que o resto da população brasileira, como querem que os contribuintes arquem com o imposto deles.

A justificativa usada pelos parlamentares é que eles receberam um conveniente mau conselho dizendo que não deveriam pagar imposto sobre seus 14º e 15º salários. Isso não faz sentido legalmente nem eticamente – qualquer cidadão que tivesse recebido o mesmo tipo de conselho teria que arcar com o imposto no fim das contas.

Não podemos aguentar calados que o nosso dinheiro pague o imposto dos Senadores. Somente a grande cobertura de mídia que a entrega de uma petição com milhares de assinaturas por mim e pela Avaaz diretamente aos Senadores dará vai ser capaz de reverter a decisão do Senado. Clique aqui e assine a petição que será entregue por mim e pela Avaaz em Brasilia e espalhe nossa indignação pelos quatro cantos do país:

https://secure.avaaz.org/po/petition/O_imposto_dos_senadores_nao_pode_ser_pago_por_nos/?bkRYBbb&v=18633


No Brasil, a Avaaz ajudou a construir um vasto movimento de combate à corrupção e a desafiar deputados a votarem a favor da Lei da Ficha Limpa. Vamos nos unir mais uma vez, exercitar nossa cidadania e forçar nossos Senadores a tratar a si mesmos como cidadãos comuns.

Com determinação,

Wadih Damous e a equipe da Avaaz

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Ministros do STF que diferença !

Descobri recentemente em uma reportagem na Tv, não me lembro o canal que o Ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurelio Melo é primo do Senador, ex- Presidente e "coronel" do estado de Alagoas, ele pode até ter méritos mas conhecendo a falta de meritocracia no serviço público brasileiro e o conhecido nepotismo prática comum de nossos políticos fico com um pé atrás com o tal ministro do STF.
Me parece que homens como o ministro Joaquim Barbosa são raros, muito raros no Brasil !

domingo, 9 de setembro de 2012

Memorial da Resistência

Memorial da Resistência
Largo General Osório, 66 – Luz - Data: 15 e 22 de setembro

Para o mês de setembro o Memorial da Resistência Paulista preparou duas atividades especialmente para os professores.

A primeira delas, o Encontro com Educadores, acontece no dia 15, às 9h30. O evento pretende apresentar e discutir os potenciais educativos do Memorial da Resistência e do Material de Apoio ao Professor, que reúne subsídios sobre a História do Brasil republicano. Para saber mais: memorialdaresistenciasp.org.br

Já no dia 22, a partir das 10h30, ocorre o Encontro de Aprofundamento Temático. A Profa. Dra. Marly Vianna irá ministrar palestra sobre "Estado Novo: consolidando o autoritarismo" e discutirá de forma aprofundada o sistema repressivo estruturado para a manutenção do Estado Novo (1937-1945), assim como as lutas políticas vigentes durante o período. Outras informações em: memorialdaresistenciasp.org.br

Programação de cursos da Simpro:

Setembro 2012

Capacitação para cuidadores: deficiência intelectual e envelhecimento
12, 19, 26 de setembro; 3 de outubro, das 19h às 22h

Para onde vai o meu tempo ($$$) - administração do tempo
13, 20 de setembro, das 19h às 22h

Ética, educação e as redes sociais
18, 25 de setembro; 2 de outubro, das 14h às 18h

As lutas na educação física escolar
24 de setembro, das 19h às 22h

Defesa e garantia de direitos da pessoa com deficiência intelectual
27 de setembro; 4, 18, 25 de outubro, das 19h às 22h

Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985

sábado, 8 de setembro de 2012

InovaEduca 3.0

Centro de Convenções Fecomércio - Data: 1º de outubro de 2012

Evento discute os desafios da educação na contemporaneidade. Interessados podem colaborar com a definição dos temas que serão discutidos, em fórum já em andamento. Confira no site www.inovaeduca.com.br e também a programação completa, além relação de palestrantes.
InovaEduca 3.0
inovaeduca.com.br
1° Congresso sobre Práticas Inovadoras na Educação em um mundo impulsionado pela tecnologia.

domingo, 2 de setembro de 2012

Programação de cursos


Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Setembro 2012

Conhecendo e exercitando as inteligências múltiplas
3, 10, 17 de setembro, das 19h às 22h

Crianças desatentas e agitadas = TDAH?
5 de setembro, das 19h às 22h

Capacitação para cuidadores: deficiência intelectual e envelhecimento
12, 19, 26 de setembro; 3 de outubro, das 19h às 22h

Para onde vai o meu tempo ($$$) - administração do tempo
13, 20 de setembro, das 19h às 22h

Ética, educação e as redes sociais
18, 25 de setembro; 2 de outubro, das 14h às 18h

As lutas na educação física escolar
24 de setembro, das 19h às 22h

Defesa e garantia de direitos da pessoa com deficiência intelectual
27 de setembro; 4, 18, 25 de outubro, das 19h às 22h

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Sobre o aumento de gastos públicos na EDUCAÇÃO

É bem intencionado o aumento de gastos públicos em EDUCAÇÃO para 10% do PIB, aprovado em comissão especial da Câmara. Mas é um equívoco enorme também. Não quebrará o país, como se disse, mas vai exigir maior carga tributária (a margem para novas despesas é ínfima) e pode reduzir o potencial de crescimento. Ou seja, menos emprego, menos renda e menos bem estar, ao contrário do que parece.
Não é o volume de gastos que melhora a educação. O Brasil já despende 5,1% do PIB na área, enquanto é de 4,8% a média dos países membros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), quase todos muito ricos. Segundo as Nações Unidas/UNESCO, nossos gastos superam, como proporção do PIB, os de Japão (3,3%), Alemanhã (4%), Coreia do Sul (4,5%) e Canadá (4,6%). Mesmo assim, no último teste conduzido pelo OCDE/Pisa, ficamos em 53o. lugar entre 65 países em leitura, matemática e ciência. À nossa mfrente estão Colômbia, México, Uruguai, Chile, Tailândia, Turquia e outros países emergentes. A China (Xangai) ficou em primeiro lugar nas três matérias.

(trecho da coluna do ex-ministro Mailson da Nóbrega na Revista Veja)


Percebe-se gente que o grande problema de nosso país é a corrupção, pois se destinamos mais de nosso PIB à EDUCAÇÃO, o dobro ou mais que muitos países ditos grandes, porque sempre ficamos com péssimos índices ? Ou seja desvia-se muito e aplica-se efetivamente muito, muito pouco.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Curso na Faculdade São Bento

Não percam aqueles que puderem no dia 14 de Setembro de 2.012 às 12 horas na Faculdade São Bento a mais antiga Faculdade de Filosofia no Brasil desde 1.908 o Curso Realidade psíquica apartir de Freud e Berger com o Professor Doutor Franco Junior eu estarei presente será no Teatro do Mosteiro São Bento.


REFLEXÃO !


terça-feira, 28 de agosto de 2012

POLÍTICAS DE DROGAS !


Caros amigos do Brasil,




A política de drogas brasileira é um fracasso. Ela custa bilhões, não reduz a violência e criminaliza dependentes ao invés de tratá-los. Mas uma nova proposta que poderá mudar essa situação será apresentada amanhã no Congresso. Vamos dar um gigante apoio público para que ela seja considerada.
A política de drogas brasileira é um fracasso. Ela nos custa bilhões, um valor muito acima de nossas capacidades, e é incapaz de reduzir a violência ou ajudar famílias que não conseguem tratar dependentes. Mas amanhã, temos uma oportunidade rara de mudar o rumo dessa situação, pois uma poderosa aliança entregará essa nova proposta para os deputados em Brasília, mas eles precisam de nosso apoio.

A Comissão Brasileira de Drogas e Democracia (CBDD), composta por especialistas brasileiros de diferentes áreas, lançou no início desse semestre uma proposta para transformar nossa política falida no modelo de sucesso iniciado em Portugal -- um modelo com foco no tratamento dos dependentes não violentos, liberando assim os recursos policiais para o enfrentamento do crime organizado e para a redução da violência.

Essa é uma fantástica oportunidade que não podemos perder. Neste exato momento, se dermos o apoio público necessário, poderemos garantir que essa proposta seja levada para o Congresso. Assine já essa petição urgente e compartilhe com todos agora para chegarmos a 100.000 assinaturas antes da entrega da petição ao Presidente da Câmara dos Deputados:

http://www.avaaz.org/po/brazil_drug_solution_rb/?bIGPcdb&v=17229

A atual lei de drogas não diferencia claramente usuários não violentos de traficantes. Na prática, os pobres são classificados como traficantes e os ricos como consumidores. Ao invés de oferecer tratamento àqueles que sofrem com a dependência, nosso sistema concentra maciçamente seus recursos policiais em réus primários não violentos, deixando espaço para o crescimento do crime organizado. E nós gastamos bilhões de reais de nossos impostos neste modelo perdulário.

Enquanto isso, em 2001, Portugal aprovou uma nova lei que diferencia claramente usuários de traficantes, tratando traficantes como um caso de polícia e usuários como um problema de saúde. Depois dessa mudança, as mortes relacionadas às drogas desabaram, a luta contra o crime organizado ganhou terreno e, diferentemente do previsto por alguns, o consumo de drogas caiu entre os jovens. Se agirmos agora, podemos adotar medidas semelhantes aqui no Brasil.

Muitos políticos sabem que a atual política de drogas é um fracasso total, mas eles têm medo de admitir por medo da reação pública. Se mostrarmos que há apoio público a esta nova proposta, podemos transformar nosso modelo falido e salvar vidas. Assine essa petição e compartilhe com seus amigos para mostrar que queremos mudar:

http://www.avaaz.org/po/brazil_drug_solution_rb/?bIGPcdb&v=17229

Nosso movimento mostrou inúmeras vezes, no Brasil, que quando as pessoas agem, podemos forçar os políticos a escutá-las. Conseguimos no passado com a Ficha Limpa, com a aprovação da PEC do trabalho escravo e com os vetos ao código florestal. Vamos usar o poder popular para consertar nossa política de drogas com a aprovação de reformas de bom senso.

Com esperança e determinação,

Pedro, Carol, Diego, Ian, Ricken e toda a equipe da Avaaz.

Mais informação:

A Lei de Drogas na prática - Banco de Injustiças
http://www.bancodeinjusticas.org.br/aleinapratica/

Uma nova visão sobre o uso de entorpecentes (O Dia)
http://odia.ig.com.br/portal/rio/uma-nova-vis%C3%A3o-sobre-o-uso-de-entorpecentes-1.478377

Proposta de alteração da lei
http://eprecisomudar.com.br/arq/ProjetoDeLei.pdf

Relatório da Comissão Global sobre drogas
http://www.globalcommissionondrugs.org/reports/

Pesquisa Prisão Provisória e Lei de Drogas (Universidade de São Paulo)
http://www.nevusp.org/downloads/down254.pdf

Drogas: Brasil ou Portugal (O Dia)
http://odia.ig.com.br/portal/opiniao/pedro-abramovay-drogas-brasil-ou-portugal-1.447665

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Educação- Professores - Salários !

Causes.com


Salário digno aos PROFESSORES do Brasil

Posted by Bruno Saboia (cause leader)





A message about
A educação no Brasil - uma crítica por Richard P. Feynman
Olá a todos,

Nós sabemos que o salário dos professores não é suficiente para atrair mentes brilhantes para o ensino, que preferem cargos concursados em outras instâncias que possuem um contra-cheque mais polpudo.

Entretanto, esse não é o único problema do nosso sistema. Existem falhas enormes no modelo em si, cuja premissa é entregar diplomas, e não formar mentes.

Envio a vocês um texto de Richard P. Feynman, para reflexão sobre o assunto. Está mais que na hora de nos organizarmos enquanto sociedade civil e exigirmos as mudanças que já deveriam ter sido feitas há decadas por nossos governantes.
View, share, or add a comment:

sábado, 18 de agosto de 2012

EDUCAÇÃO

Eu não entendo porque nossos governantes não aceitam investir na EDUCAÇÃO, já está provadonque países emn desenvolvimento que investem na EDUCAÇÃO crescem, vide China, aliás estava lendo numa entrevista do Presidente FHC que a China na se considera país desenvolvido,mas sim em desenvolvimento, nós temos coisas a aprender a com os chineses.

Posto abaixo um quadro que demonstra o desprezo do governo petista (que apoio) pela EDUCAÇÃO !

 

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Professor Robson Santos / Malasarte

O Professor Doutorando pelo Mackenzie Robson Santos foi meu Mestre em Didática e uma pessoa muito especial em minha vida acadêmica, posto abaixo sua agenda:


EU, MALASARTE

17/08/12 - 10h
Biblioteca Viriato Correa - Vila Mariana (próximo ao Metrô Vila Mariana)
Rua Sena Madureira, 298
Vila Mariana
Tel.: 5573-4017 / 5574-0389

17/08/12 - 14h
Biblioteca Paulo Duarte - Jabaquara
Rua Arsênio Tavolieri, 45
Jabaquara - 04321-030 São Paulo, SP
Tel.: 5011-7445 / 5011-8819


24/08/12 - 09h30
Biblioteca Marcos Rey - Campo Limpo
Rua Dr. João Batista Reimão, 146
Tel.: 5845-2572 - Marli

24/08/12 - 14h
Biblioteca Malba Tahan.
Rua Brás Pires Meira, 100
Jardim Susana/Veleiros - 04784-150 São Paulo, SP
Tel.: 5523-4556

Ajuda, desabafo, amigos !

Hoje em dia é tão difícil termos alguém pra nos ouvir, aconselhar, enfim se importar com nossas adversidades, as pessoas só se importam em "ter coisas" e com aqueles que conseguem "ter coisas", em nossa sociedade não importa o que você É e sim o que você TEM, se por acaso você quiser conversar, desabafar, fazer amigos, conte comigo.
Meu MSN alexxandretorres@hotmail.com
Vivemos numa sociedade tão esquisita pra não dizer outra coisa onde pessoas passam por cioma das outras e digo isso literalmente, como vemos acontecer com pessoas caídas nas ruas, sejam doentes, viciadas ou esfomeadas.
Se você ainda se importa com o ser humano ou está a procura de alguém que se importe conte comigo.
Um abraço !

sábado, 11 de agosto de 2012

Primeira página na rede mundial de computadores fez aniversário.

Internet e entretenimento     
Primeiro site da web completou 21 anos em 09/08/2012



Nesta semana a primeira página desenvolvida para a internet completou 21 anos.

A página, que ainda está acessível, possui fundo branco e traz apenas textos curtos e links que auxiliam na criação de um site para a web.

O site foi criado por Tim Berners-Lee, conhecido como pai da internet. Ele publicou a página a partir de um computador da NeXT (empresa criada por Steve Jobs quando este saiu da Apple pela primeira vez) no laboratório de física Cern, localizado na Suíça.

O primeiro site da web trazia explicações sobre os conceitos do WWW (World Wide Web) e foi o primeiro passo para o crescimento da internet que conhecemos hoje.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

PL 180 - UM PASSO ADIANTE NA LUTA POR IGUALDADE RACIAL



A Associação Brasileira de Pesquisadoras/es Negras/os (ABPN), por meio de sua Diretoria, torna pública sua posição favorável a aprovação do Projeto de Lei nº180/08, que obriga as instituições de ensino superior vinculadas ao Ministério da Educação (MEC) a instituir políticas de promoção de igualdade no acesso ao ensino de graduação.

Esta medida é parte de um processo que se inicia nos anos 1970/80, quando o Movimento Negro reorganiza-se focado na estratégia da denúncia das péssimas condições de vida da população negra. Depois, em 1995, o combate as desigualdades raciais entra na agenda política do país, quando os Movimentos Sociais Antirracistas, reunidos na Marcha Zumbi dos Palmares Contra o Racismo pela Cidadania e a Vida, arrancaram do chefe do Poder Executivo -  o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso -,  o reconhecimento da existência do Racismo e de desigualdades raciais históricas provocada por uma legislação abolicionista que não previu medidas compensatórias voltadas para a melhoria da qualidade de vida dos/as africanos/as e afrodescendentes em liberdade.

A criação pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva,  da Secretaria de Políticas de Promoção de Igualdade (SEPPIR), vinculada a Presidência da República, a aprovação do Estatuto da Igualdade Racial  (Lei Federal  nº 12.288 de 20 de julho de 2010), e a decisão do Supremo Tribunal Federal de 26 de abril de 2012, que considerou constitucional as políticas de ações afirmativas para redução de desigualdades raciais, entre outras, apontam para o reconhecimento do Estado brasileiro daquela dívida histórica e sua institucionalização nos espaços públicos.

O “PL 180” , embora possuam pontos a serem melhorados, constitui um avanço na adoção de políticas de promoção de igualdade racial em nosso país e uma ação mais enfática no sentido de estabelecer parâmetros nacionais para a criação de programas de ação afirmativa no ensino superior.

Entretanto, a ABPN manifesta sua preocupação com a restrição do acesso às ações afirmativas apenas as pessoas pobres, posição que vai de encontro as novas realidades criadas pela expansão econômica do país  focada na inclusão social e ampliação da classe média, sem diminuição das disparidades raciais.  Entende como negativa a  ausência de um plano de implementação com ações previstas, sendo longo o prazo de quatro anos para sua efetivação por parte das instituições de ensino superior. E, por fim, compreende como fundamental a modificação do Artigo 2, pois ele não contempla os avanços obtidos nas duas últimas décadas nos processos de seleção do ensino superior, como o Sistema  de Seleção Unificada(SiSU).

A ABPN se coloca a disposição das IES e demais agências públicas relacionadas ao tema para colaborar no processo de implementação.

Florianópolis, 07 de agosto de 2012.